• Lair Buosi Bachiega

Aromas Que Vendem – Marketing Olfativo


Já tivemos a oportunidade de falar aqui sobre Marketing Olfativo, mas hoje trataremos deste assunto de uma forma mais abrangente mostrando a importância atual dos aromas sobre o comércio varejista.

CHEIRO BOM

Atuando diretamente sobre as emoções dos clientes, o marketing olfativo evoluiu e se transformou em importante ferramenta para o varejo.

Não há quem resista ao cheiro de pão quentinho saído do forno ou de café coado na hora. Ou, ainda, não tenha boas lembranças ao sentir o perfume da terra molhada e da grama recém-cortada.

Hoje, graças à evolução da tecnologia e à busca constante de diferenciais para produtos e marcas, esses e milhares de outros aromas podem ser reproduzidos artificialmente, transformando-se em um instrumento de marketing na disputa pela fidelidade do consumidor.

Uma boa composição olfativa é capaz de atrair a atenção do cliente, podendo aumentar o tráfego no estabelecimento, a velocidade de visitação, o tempo de permanência dentro da loja.

Com a comunicação olfativa é possível devolver ao consumidor cheiros que ele deixou se sentir, seja por causa da poluição ambiental ou da adoção de embalagens a vácuo.

CONCEITO NOVO

Foram os americanos os primeiros a fazer do aroma um aliado, usando-o para manter os apostadores mais tempo diante das mesas de jogos nos cassinos de Las Vegas, ainda na década de 70. Chineses e japoneses também investiram na aromatização dos mais diversos tipos de ambiente e até o metrô de Paris tem sua própria marca olfativa.

No Brasil, esse é um conceito novo, iniciado em meados dos anos 90 por alguns supermercados dispostos a atrair a atenção dos consumidores para áreas de pouco tráfego ou para um novo produto em oferta.

Depois vieram as feiras e exposições e, há não mais de três anos, uma demanda mais significativa por parte do varejo e de promotores de eventos.

Com produtos e serviços cada vez mais iguais depois da globalização, o comércio percebeu que precisava buscar um diferencial que mexesse com a emoção. Alguns estudos mostram que nós conseguimos nos lembrar de cerca de 35% do que cheiramos e apenas 5% do que já vimos. Foi de olho nesses dados que nasceu o Marketing Olfativo.

E a criação de uma identidade olfativa cumpre esse papel artístico e cultural.

Escolher um aroma que se identifique com o negócio e, principalmente, que desperte algum tipo de sensação agradável no público da casa é fundamental. A ideia é associar um aroma ao conceito e valores de uma marca.

Para colher bons resultados, o caminho é fazer uma análise da faixa etária, origem e hábitos do consumidor, cruzando esses dados com o conceito da marca e do produto.

Em nenhum momento devemos esquecer que o repertório olfativo tem uma permanência na memória das pessoas maior do que o visual.

Outro ponto importante é lançar a dose certa da fragrância no ambiente. Nem mais, nem menos. Independentemente do método utilizado - difusão, aspersão, ventilação, volatilização, evaporação ou nebulização , a regra é trabalhar no limite mínimo da percepção humana, a fim de não provocar mal-estar ou sensibilização. A fragrância não pode se impregnar na pele, na roupa ou no cabelo das pessoas.

Nota: Texto baseado em artigo publicado na revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios

#MarketingOlfativo #AromasqueVendem #Fragranciasquevendem #MarketingOlfativoPersonalizado #AromasdoMercado #AromasdeConceito #MarketingdeCheiro #MarketingdeAromas #CheirosqueVendem #AromasparaVendas #TécnicasdeMarketingOlfativo

27 visualizações
Curta nossas páginas
  • Facebook Social Icon
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon
Telefone / WhatsApp

(11) 99121-5940